sexta-feira, 29 de maio de 2009

Tempo de Sega (Ernesto Bacardi)

Meus olhos cansados às seis da manhã;
Olheiras cultivadas com a diligência
De um oleiro.
Falta contra mim sua boca foliã;
Sega-me, encerrada a ausência
Em um segredo.

Se, ao que transborda de mim,
Decretou-se não o fim,
Mas o degredo,
Há sempre uma promessa
De, inda com aquela pressa,
Ser um inteiro.

Nenhum comentário: